Gestão compartilhada é um dos temas abordados no Fórum Nacional das Empresas Prestadoras de Serviço

publicado em 04/11/2015

O Fórum Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços se reuniu durante o 87º ENIC para debater temas relacionados ao setor. Uma das discussões foi a gestão compartilhada como fator de viabilidade de projetos, com foco em obras industriais. O tema foi abordado sob o ponto de vista do contratante, do contratado e executor, e resultou num debate em grupo com proposição de ações e discussão e formulação de plano de ação.

O vice-presidente de Obras Industriais e Públicas do Sinduscon-MG, Ilso de Oliveira, que está a frente do grupo desde 2012, falou um pouco sobre a missão e importância do Fórum e segundo ele, o principal objetivo é que todos olhem para o mesmo ponto e que trabalhem em conjunto para que haja desenvolvimento. ?Todos nós precisamos alinhar os vetores a fim de potencializarmos a resultante?, ou seja, todos precisam puxar a corda para o mesmo lado.

Os problemas ressaltados foram variados, entre eles falta de planejamento, burocracia, atraso na aprovação na linha base do programa. ?Quando envolvemos uma grande gama de prestadores de serviço muita gente não comunica de forma clara e objetiva, e então a obra não flui no mesmo ritmo?, aponta Oliveira.

Durante sua apresentação, Iomar Tavares da Cunha, diretor da MIP Engenharia, mostrou os principais ganhos obtidos pela gestão compartilhada: Melhoria da gestão dos projetos, melhoria da produtividade, redução de custos do projeto, redução nos insucessos do projeto devido ao estouro de prazo e custo, escopo e deficiência na qualidade e redução da probabilidade de ocorrência dos riscos nos projetos.

O vice-presidente de Prestação de Serviço do Sinduscon-PR, Alvaro Fernandes Coelho, acompanhou de perto o evento da pasta e aponta o planejamento como principal ponto a ser desenvolvido dentro das organizações. ?A maior razão dos fracassos é a falta de planejamento e foco, principalmente quando existe mudança de escopo?, comentou.

Também participaram do painel, Maury de Souza Júnior, diretor de projetos e ecoeficiência da Samarco, Ricardo Antonio Abrahão Netto, Sinduscon-ES e Rogério Galvão,  Gerente de Desenvolvimento de Projetos Ferrosos da Vale. Foram apresentados seus projetos, algumas alternativas  dentro da gestão compartilhada, os principais desafios e o que pretendem desenvolver.

Ricardo Antonio Abrahão Netto, comentou que sempre que possível inicia a contratação de fornecedores pelas empresas de construção civil para realização do projeto, e que isso reduziu em 90% os problemas de projetos já ocorridos anteriormente.  Hoje, ele também busca realizar obras com um número menor de funcionários no canteiro, com a utilização de mais tecnologia: ?uma mini escavadeira realiza o trabalho de nove serventes. Serrote, martelo e carrinho de mão devem ser abolidos dos canteiros?, enfatizou Ricardo. Como resultado deste modelo, cita que ganhou mais produção e eficiência, uma solução buscada devido a crise. Citou ainda que, neste período de crise tem conseguido renegociar os valores de seus contratos junto a fornecedores, com redução médica de 9%.

Mas o que seria um cenário ideal para aplicação de gestão compartilhada? O vice-presidente do Sinduscon-PR analisa que um melhor planejamento, e uma redução significativa das burocracias que envolvem o setor, além de um gerenciamento efetivo das mudanças das mudanças do projeto e melhoria na comunicação entre os envolvidos, são pontos fundamentais para termos um processo mais eficiente e produtivo.


Publicidade
Anuncie aqui (novo site)

Parceiros

Receba por e-mail

Cadastre-se e receba nossas newsletters.