Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Paraná

Sinduscon-PR

Contribuição Sindical 2018
Seconci-PR

Notícias

Presidente da CBIC antevê nova onda de crescimento

publicado em 08/03/2018



Image title


Dados apresentados pelo presidente da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), José Carlos Martins, em palestra realizada no começo de março de 2018 na sede do SindusCon-PR, revelam que a construção civil começa a antever uma nova onda de crescimento, mesmo que em um ritmo lento e gradual.

Há quatro pontos elencados pelo presidente da CBIC que dão sustentação para esse ambiente de otimismo: a taxa Selic a 6,75%, o que tende a canalizar dinheiro do mercado financeiro para investimento; o índice de confiança do setor, que voltou a crescer; a disposição de bancos privados em entrar no mercado de financiamento imobiliário, o que já se torna realidade através dos números deste início de 2018, e as movimentações para atrair o setor privado para as grandes obras de infraestrutura.

José Carlos Martins lembra que, feito o ajuste macroeconômico pelo qual o Brasil passou, com o encaminhamento do ajuste das contas públicas e o controle da inflação, é inexorável que o país tenha de buscar o crescimento sustentável, sob risco de perder o que conquistou de 2016 para cá. Isso, segundo ele, passa por uma nova realidade do setor financeiro, que tende a deixar de investir em papéis para migrar para o investimento produtivo.

Segundo o presidente da CBIC, não restam dúvidas de que o Brasil caminha para uma nova onda de crescimento. “Hoje, com este novo cenário, as instituições financeiras terão de buscar as empresas no mercado para gerar novos negócios, a fim de ampliar resultados e ter rentabilidade. Trata-se de uma mudança muito grande, principalmente para a indústria da construção, pois o investimento vai migrar do papel para o investimento produtivo”, destaca.

Martins avalia que, no que se refere a investimentos em obras de infraestrutura, o processo será mais lento, pois a desistência do governo federal em não levar adiante a reforma da Previdência, assim como a legislação que definiu o teto de gastos, praticamente impede o investimento público em megaobras. No entanto, ele assegurou que há um trabalho forte em Brasília para permitir que o investimento privado entre definitivamente no setor de infraestrutura.

Mercado imobiliário será o indutor em 2018

Outros aspectos que tendem a tornar os investimentos em infraestruturas mais lentos estão relacionados à corrida presidencial e à insegurança jurídica. “Tudo isso depende de decisões políticas”, completa. Por isso, José Carlos Martins avalia que 2018 terá o mercado imobiliário como principal indutor do crescimento da construção civil.

Em sua explanação, o presidente da CBIC trouxe números relevantes, que envolvem o último trimestre de 2017 e o mês de janeiro de 2018. Dados consolidados do país revelam que, entre outubro e dezembro do ano passado, as vendas cresceram 9,4%, os lançamentos aumentaram 5,2% e o estoque de imóveis novos já construídos baixou 12,3%, em comparação com o mesmo período de 2016.

Outro detalhe relevante é que, em janeiro de 2018, bancos privados, como Santander e Bradesco, realizaram mais financiamentos imobiliários que a Caixa Econômica Federal. Para José Carlos Martins, isso já é um sinal de que as instituições financeiras estão mudando sua forma de atuar, diante de um cenário de inflação baixa e juros baixos. “A Caixa não vai ser mais aquele indutor de financiamentos como era. Os bancos privados vão ser obrigados a entrar, e já estão entrando”, comemora Martins.

Confira o estudo Indicadores Imobiliários Nacionais, da CBIC

EntrevistadoEngenheiro civil José Carlos Martins, presidente da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção)Contato: presidencia@cbic.org.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330

Compartilhe


Receba por e-mail!
Cadastre-se e receba nossos informativos.